You are here

Bibliografia completa

Romances e afins

Contos

No exterior

Ensaio

  • Ensaio "Amazon - The Guardians of Eden: uma leitura relacional" na coletânea "O jogador de mil fases" (org. Arthur Protásio e Guilherme Xavier, ed. 2AB). Disponível como ebook na Amazon.

Críticas e colunas

Tradução

  • The Secret History of Twin Peaks - Mark Frost (Tradução de Simone Campos e de Stephanie Fernandes) - Companhia das Letras (2017)
  • The Last One - Alexandra Oliva - ed. Rocco (2018)
  • O livro das coisas estranhas (The Book of the Strange New Things) - Michel Faber - ed. Rocco (2016). Em catálogo. Leia artigo sobre o processo de tradução no blog da Rocco.
  • Menina má (The Bad Seed) - William March - ed. Darkside (2016 - )
  • A garota no trem (Girl on the Train) - Paula Hawkins - ed. Record (2015 - em catálogo)
  • Bellman & Black - Diane Setterfield - ed. Record (a publicar - 2017)
  • Por uma ecologia da mente (Steps to an Ecology of Mind) - Gregory Bateson - ed. É Realizações (a publicar)
  • Eu, Anna (I, Anna) - Elsa Lewin - ed. Record (concluído, em catálogo; adaptado para filme com Charlotte Rampling como Eu, Anna).
  • Breve história da celebridade (A Short Story of Celebrity) - Fred Inglis - ed. Versal (concluído, em catálogo)
  • Postais da terra de ninguém (Postcards from No Man's Land) - Aidan Chambers (ganhador do prêmio Hans Christian Andersen e da medalha Carnegie) - ed. WMF Martins Fontes (Publicado, em catálogo) - Indicado como Altamente Recomendável pela FNLIJ (2013) na categoria Tradução/Adaptação Jovem.
  • Disciplina sem gritos nem surras (Discipline Without Shouting or Spanking) - Jerry Wyckoff e Barbara C. Unell - ed. WMF Martins Fontes (Publicado, em catálogo)
  • Mitos e lendas (Myths and Legends) - Philip Wilkinson - ed. WMF Martins Fontes (Livro ilustrado da DK. Publicado - e esgotado.)

Revisões/copidesques notáveis: Uma fração do todo (Steve Toltz) para a Record; A bibliotecária de Auschwitz (Toni Iturbe) para a Ediouro; Carvão animal (Ana Paula Maia) para a Record; Antologia pan-americana (org. Stephane Chao) para a Record

Academia

  • Jogos eletrônicos: ficções e playgrounds filosóficos?
    Tese de doutorado em Letras - Teoria da literatura e Literatura comparada na UERJ - Orientação de João Cezar de Castro Rocha
    Resumo: Esta tese conjuga métodos de literatura comparada com teoria da literatura para analisar o nexo entre literatura e videogames. Ela parte da hipótese de que os jogos eletrônicos são ficção, e, como tal, se fundam numa tradição de muitos séculos, inclusive a da retórica como máquina combinatória, a da ficção dialógica e carnavalizada, e do “falar por falar” da sofística da Antiguidade. Essa genealogia é fundamentada e explicitada com base nas pesquisas de Barbara Cassin, Mikhail Bakhtin, além de nas obras de Platão, Aristóteles e Górgias. Além disso, a tese recorre às obras de Roger Caillois e Johan Huizinga sobre jogos, ludicidade e brincadeiras, que já associavam estes impulsos à história da cultura e a diversos fenômenos sociais. Incorpora, além disso, a teoria do desejo/violência mimética de René Girard como base da cultura. Traça paralelos fenomenológicos entre jogos eletrônicos e literatura, conjugando ferramentas de teoria literária como a teoria da recepção de Wolfgang Iser com teorias sobre jogos eletrônicos como as de Ian Bogost e Janet Murray, que os tratam como obras fundamentalmente procedurais (constituídas de processos). O jogador em interação com jogo constituiria um sistema cibernético, que pode e deve ser analisado enquanto tal. As imagens mentais de interação procedural teriam impacto sobre a atitude mental de seu jogador assim como as imagens mentais do leitor na interação com a literatura ficcional. O trabalho se conclui com uma teoria a respeito da proceduralidade e dos elementos ficcionais presentes em redes sociais, fóruns e aplicativos de mensagens, e discutindo que influência a cultura dos videogames poderia ter tido no atual contexto de fake news, bots, e perseguição a minorias na internet e outros ambientes online.
    • O jogo e os jogos: o jogo da leitura, o jogo de xadrez e a sanidade mental em 'A defesa Lujin', de Vladimir Nabokov
      Dissertação de mestrado em Letras - Teoria da literatura e Literatura comparada na UERJ - Orientação de João Cezar de Castro Rocha
      Resumo do resumo: Vladimir Nabokov criou um personagem chamado Lujin, jogador de xadrez profissional que acaba ficando louco. Sua loucura é achar que há alguém jogando contra ele em sua vida, e que precisa elaborar uma defesa competente contra ele. Lujin acaba se suicidando. Passando por teorias como a de Iser e apoiando-se nas ideias de duplo vínculo de Gregory Bateson, além de temas como sinestesia e um paralelo com o alcoolismo, tentamos mostrar como Nabokov replicou a experiência de jogar xadrez até para o leitor que não gosta do jogo - e o fez igualmente para a experiência da loucura, dado que, sob a moldura da ficção que só o leitor enxerga, Lujin está certo: Nabokov "de fato" joga contra ele. (Para quem gosta, há um pouco de lógica nessa dissertação - Russell e Wittgenstein.)
    • Artigo Sobre gêneros para a Revista de Não Ficção no. 3, da Não Editora (2011)
      Sobre mulheres, videogames, livros. Trata do papel da fantasia e do risco na vida das pessoas. Contém Walter Benjamin, Cervantes e Houdini.
    • O e-book e além: projeções e implicações para autores, editoras e para a leitura no Brasil
      Monografia de fim de curso de comunicação social - produção editorial na UFRJ (2009) - graduação
      Resumo do resumo: Em um mercado em mutação, os agentes do mercado editorial (incluindo autores e leitores) têm necessidade e oportunidades para redefinir seu papel, participação e fatia nos lucros de sua atividade. Este trabalho explora várias maneiras de cada parte envolvida fazer isso no contexto brasileiro e como a interação entre elas pode vir a alterar o equilíbrio de poderes e transformar o mercado.
    • Mudanças no equilíbrio de poder: o caso Napster
      Monografia de fim de curso de comunicação social - jornalismo na UFRJ (2004) - graduação
      Por que você deve lê-la: é uma narrativa apaixonada e informativa do impacto que a internet teve na disseminação de uma determinada informação (a música). Usa experiência pessoal e análise do discurso jornalístico (Fairclough, Milton Pinto) para analisar as tendências de redistribuição de poder.

    Trabalhos como produtora editorial

    • Coordenação/acompanhamento de processo editorial

      Carvão animal - Ana Paula Maia (coordenação com a autora, sugestões de edição, revisão de orelha/4a capa - 2010/11)
      Antologia pan-americana - Stéphane Chao (reunião com o organizador, revisão das traduções, do sumário, da grafia dos nomes dos autores, revisão de orelha/4a capa - 2010)
      A verdade lançada ao solo - Paulo Rosenberg (coordenação com o autor, pesquisa e uniformização de termos judaicos, sugestões de edição, revisão de orelha/4a capa - 2010)
      Samba falado - Vinicius de Moraes (pesquisa e transcrição de textos manuscritos de Vinicius na casa de Ruy Barbosa e Biblioteca Nacional; seleção e organização do material em capítulos). Azougue editorial, 2007.
      Coleção Encontros (pesquisa na Biblioteca Nacional e outros arquivos). Livros de entrevistas com Vinicius de Moraes, Darcy Ribeiro, Boris Schnaiderman, Roberto Piva, Eduardo Coutinho, Florestan Fernandes, Jorge Mautner, Gabeira e outros. Azougue editorial, 2006-2007.

    • Revisão/Copidesque

      - A bibliotecária de Auschwitz, Toni Iturbe. Revisão. Ed. Nova Fronteira.
      - A sabedoria das avós (Grandmother's Wisdom), Lee Faber. Copidesque/confecção de orelha e 4a capa. Ed. Casa da Palavra, 2012.
      - John Carter, adaptação do filme da Disney baseado em A princesa de Marte, de Burroughs. Copidesque. Ed. Casa da Palavra, 2012.
      - Ecos da mente (The Echo Maker), Richard Powers. Ed. Record, 2012.
      - Rei da roleta, biografia do dono do Cassino da Urca, Joaquim Rolla (2012). Copidesque/confecção de orelha. Ed. Casa da Palavra, 2012.
      - Uma fração do todo (A Fraction of the Whole), Steve Toltz (2011). Revisão de tradução/confecção de orelha e 4a capa. Ed. Record, 2011.
      - A casa dos macacos (Ape House), Sara Gruen (2011). Revisão de tradução. Ed. Record, 2011.
      - Sua face ilegal (His Illegal Self), Peter Carey (2011). Revisão de tradução. Ed. Record, 2011.
      - Copidesque do livro Unhas para a ed. Senac (2005).

    • Capas

      - Design de capa de A feia noite, autoria própria (2006)
      - Fotografia para a capa de Amostragem complexa, autoria própria (2009)

    • Site

      - Site do livro-jogo Owned, de autoria própria - planejamento e debugging (com Douglas Donin, Filipe Moura e Vinícius Lima).